Política brasileira e outros temas polêmicos

24 de agosto de 2016

Falta uma carta de Dilma pedindo desculpas ao povo

A quase ex-presidente Dilma e seus companheiros passaram durante o tempo em que o processo do impeachment dela acusando o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF) de terem aplicado um golpe contra ela. Agora Dilma escreve uma carta aos senadores propondo a realização de um plebiscito visando à convocação de eleições em outubro, junto com as eleições municipais, para escolha de novos presidente e vice-presidente da República. Ela faz isso exatamente às vésperas da decisão do Senado Federal sobre seu afastamento definitivo de titular da Presidência da República. Não parece uma medida inteligente, pois o plebiscito que ela propõe, além de não estar previsto na Constituição, sua tramitação normal só terminaria no final do ano, quando o Congresso entra em recesso. Dessa forma, por entrar na segunda metade do mandato presidencial, a eleição seria indireta. Como as previsões indicam que Dilma será afastada com os votos de mais de 60 senadores, não haverá chance, por exemplo, de Lula concorrer (que já anda em baixa junto ao eleitorado), é lógico que essa mesma maioria elegerá presidente e vice dentre os integrantes do governo em exercício;

Certamente, os 59 senadores que afastaram Dilma entenderão que tomaram a decisão que agradou a população, pois com a administração do presidente Temer, apesar dos erros houve alguma melhora na economia. O povo espera, então, que os senadores tenham bom senso e mantenham seus votos, ao lado de outros que já se manifestaram arrependidos de de votado a favor dela. Aliás, Dilma Rousseff deveria fazer uma carta dirigida à população, particularmente aos seus 4 milhões de eleitores, pedindo desculpas por não ter cumprido integralmente as promessas de campanha e ainda por ter patrocinado por conivência um verdadeiro assalto à Petrobras. Chega de discursos repetitivos feitos pela sua "tropa de choque" (Lindbergh Farias, Vanessa Grazziotim, Gleisi Hoffman, José Eduardo Cardozo e outros). O povo está cansado de tanto palavreado que só serve para adiar a conclusão de um assunto, pois o resultado final já é do conhecimento: "Tchau, querida!".

23 de agosto de 2016

Agora é a vez de um novo evento: a Olimpíada Social

É quase unânime a opinião geral sobre o êxito da Olimpíada Rio 2016. Começa pela criatividade da abertura e do encerramento - a integração dos atletas quando um verdadeiro carnaval transformou o gramado do Maracanã num autêntico desfile com mistura de fantasias será inesquecível. Junte-se a isso os resultados obtidos por atletas brasileiros e dos países participantes, quando muitos recordes foram quebrados. Os turistas conheceram a hospitalidade do povo carioca e viajaram de volta aos seus países falando em saudade e garantindo que voltarão ao Rio para curtir a cidade sem compromissos com os Jogos. Quem acompanhou a Olimpíada seja frequentando as arenas ou assistindo pela TV, lamentou que o evento não tenha acontecido antes. Foi muito interessante ver atletas e turistas se confraternizando em espaços e conveniência ou simplesmente andando pelas ruas. Fazendo graça, alguém disse que iria sugerir ao Comitê Olímpico Internacional (COI) que transforme o Rio de Janeiro em sede fixa das Olimpíadas, co os países participantes contribuindo nas despesas e o Brasil devolvendo organização, alegria e hospitalidade;

Enquanto 2020 não chega e nem o Rio se transforma em "sede fixa" dos Jogos Olímpicos, começa uma nova etapa, que é a Olimpíada Social. Nela, o povo brasileiro espera que o Brasil consiga êxito maior que o alcançado na Rio 2016. Queremos ver o país subindo ao pódio exibindo medalhas nas modalidades Saúde, Educação, Segurança, entre outras. Capacidade acabamos de provar que temos. Pode estar faltando empenho e vontade política para que vejamos tais "medalhas" sendo exibidas para nosso orgulho. Está na hora de entrar em ação os técnicos (os governantes) para a formação desse belo Time Brasil. Desde já o povo agradece. Então, mais do que nunca poderemos gritar em alto e bom som: "Eu sou brasileiro, como muito orgulho e muito amor".

22 de agosto de 2016

A Olimpíada acabou. Falta agora a medalha de ouro da limpeza política

Acabou a Olimpíada. Acabou o clima de festa. O Brasil provou para o mundo e, principalmente para si próprio, que é capaz de organizar, planejar e realizar eventos esportivos de grande porte - os Jogos Olímpicos é o maior de todos. Nosso famoso e histórico de complexo de vira-latas está completamente afastado. Sim, nós podemos. Isso já provamos com carnaval, Fórmula 1, Fórmula Indy, Rock in Rio, révellon, Jornada Mundial da Juventude e até mesmo a Copa do Mundo em 2014. Houve erros e falhas, mas foram muito menores que os acertos. Delegações de vários países saíram daqui afirmando isso, confessando que até à abertura dos Jogos ainda desconfiavam do sucesso e previam um fracasso. Erraram. Atletas de ponta que já estiveram presentes em muitas Olimpíadas disseram que a do Rio foi a melhor de que participaram. A imprensa internacional está comentando de modo positivo a realização do evento;

É difícil entender que brasileiros, e em especial cariocas, tenham torcido pelo fracasso dos Jogos. E os legados? Qualquer preconceito por parte de estrangeiros pode ser até compreendido. Como não festejar o fato da Arena do Futuro, que é toda modulada, ser após as Paralimpíadas transformada em nada menos que quatro escolas? Há que se destacar o interesse despertado em crianças para a prática de esportes, como Handebol, Voleibol e outros, já havendo programas de iniciação programados para serem executados em escolas públicas ou privadas e abertos também às crianças das comunidades próximas. Em relação às escolas dos legados dos Jogos, há uma pela qual temos que exigir diariamente. Trata-se da escola de formação de políticos honestos e que tenham os interesses do povo acima dos seus próprios interesses. E nós podemos começar a matricular nessa escola nas eleições municipais em outubro, os conhecidos políticos de nossas cidades, os prefeitos e vereadores, mandando-os para casa. negando-lhes a matrícula,

14 de agosto de 2016

Melhorando a Educação, subiremos mais vezes ao pódio no futuro

Muito tem sido falado sobre os legados que a Olimpíada Rio 2016 pode nos deixar. Realmente, vários benefícios os Jogos Olímpicos serão usufruídos pela população carioca. Alguns deles serão equipamentos como arenas e outros espaços para utilização em programas de iniciação esportiva de jovens nas mais diversas modalidades. Mas, desde já paira um grande dúvida. Quem bancará o funcionamento do Parque Olímpico, por exemplo? Há alguma negociação com empresas para o devido patrocínio. A Prefeitura do Rio e o Estado não têm como assumir tal responsabilidade. Para que os tais legados se confirmem é necessário que tudo seja previamente estabelecido, Não pode acontecer como o ocorrido com as instalações destinadas aos Jogos Panamericanos de 2007, que seriam para aproveitamento na Olimpíada, mas que em grande número praticamente viraram sucatas, bem como as arenas destinadas à Copa do Mundo de 2014, algumas delas construídas e que viraram verdadeiros elefantes brancos. Some-se a isso as denúncias de superfaturamento que estão sendo objeto de investigações pela Justiça;

Temos, entretanto, que destaca um importante legado: educação e respeito nos momentos de alegria nas vitórias sobre adversários, que não estão sendo vistos como inimigos, com pacífica convivência nas arquibancadas, mostrando para o mundo que somos um povo civilizado. O mesmo está acontecendo no relacionamento com turistas estrangeiros, que têm comentado nas redes sociais a hospitalidade do povo do Rio de Janeiro, em especial nos contatos fora dos locais de competição, Há casos de atletas eliminados que estão voltando para seus países lamentando ter de ir embora da simpática Cidade Maravilhosa. Até botecos 'pés sujos' próximos à Vila Olímpica têm se tornardo em ponto de encontro de integrantes de várias delegações. Junte-se a isso a organização do evento, que apesar de algumas falhas tem recebido elogios gerais;

O maior legado é, sem dúvida, a necessidade de serem estabelecidas políticas para os esportes, preparando futuros atletas a partir da infância nas escolas públicas, no ensino fundamental e médio. o que significa um outro modo de administrar tais escolas, que hoje não têm condições sequer de funcionamento, algumas até sem banheiros para os alunos. Essa talvez seja a forma de participarmos de competições sem nenhuma possibilidade de obter-se medalhas, algo conseguido por países mais pobre que o Brasil. Sem alguma providência no sentido de mudar a falta de atenção do Poder Público com a Educação, como sempre acontece, nosso país continuará sendo como um anão desportivo, Podemos deixar de lado o legado de concreto. O que queremos é através da Educação vermos a geração de jovens subindo ao pódio das futuras Olimpíadas.

10 de agosto de 2016

Aliados de Dilma fazem o que podem para adiar seu julgamento final

Poucas horas antes do Senado aprovar, por 59 votos a 21, o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) contra Dilma Rousseff por crime de responsabilidade, parlamentares do PT protocolaram, na noite de ontem, uma representação contra o processo na Comissão Interamericana de Direitos Humanos, ligada à Organização dos Estados Americanos (OEA). Em entrevista coletiva na Câmara, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) explicou que o documento pede a restituição da normalidade democrática com a volta de Dilma, a anulação de todos os atos e a paralisação do processo até que sejam analisadas todas as possíveis violações a tratados internacionais. “Entendemos ser necessária a medida por uma questão de tempo, para impedir que o processo se consolide de maneira definitiva”, afirmou. A expectativa do Legislativo é que o afastamento de Dilma seja decidido por volta do dia 26 de agosto. Ficou bem clara a intenção dos aliados de Dilma, que é fazer todas as tentativas possíveis pata atrasar a deposição dela, que acontecerá no início de setembro;
Para Paulo Teixeira, que também assinou a petição, Dilma não tem ação criminal no Brasil. Segundo ele, o tribunal da OEA pode decidir pela reintegração da petista e até definir sanções para o Brasil no momento do julgamento do pedido, já que o Brasil é signatário de acordos internacionais que o garantem participar em instituições como a própria OEA. “Este crime que estão imputando a ela não tinha lei que o previa. Todo o procedimento é ilegal”, completou. Perguntado sobre o motivo para que tenham entrado com a representação apenas agora, na fase final do processo, o deputado Wadih Damous (PT-RJ) explicou que, para pedir a intervenção da Corte Interamericana, todas as possibilidades têm que ser esgotadas dentro do país. “Estamos vivendo um golpe de estado com a participação do Parlamento e a omissão do Judiciário”, disse, ao lembrar que o Supremo Tribunal Federal (STF) não interveio no processo, limitando-se a apenas definir o rito que deveria ser seguido pelo Congresso Nacional para julgar o afastamento de Dilma. “O STF se nega a exercer o controle, se recusa a coibir a ilegalidade e o golpe”, afirmou.

9 de agosto de 2016

A Operação Lava-Jato não para nem com a Olimpíada Rio 2016

Enquanto a gente vai se distraindo com a Olimpíada, as apurações sobre as falcatruas cometidas pelos políticos brasileiros continuaram no mesmo ritmo. A ameaça de executivos da empresa Odebrecht de indicar que colaborou com o 'caixa 2' para campanhas eleitorais do PSDB em 2010 já tem a resposta que todos nós conhecemos e a divulgação pela imprensa de sempre: "Em nota, o partido declarou que todas as doações que o PSDB recebeu foram realizadas estritamente dentro dos padrões legais e foram posteriormente declaradas à Justiça Eleitoral". Ninguém acredita nessa declaração e o partido 'tucano' ainda pode ser processado pelo PT. Por plágio. Como as deleções da Odebrecht alcance vários outros partidos, ficamos na duvida se existe em Brasília algum político que seja pelo menos um pouco honesto, se é que isso tenha alguma lógica, isso porque vemos neles que apenas pensam em poder e enriquecimento ilícito;

Nossa sorte está na constatação que em boa hora surgiu a Operação Lava-Jato, que conseguiu frear essa prática que vinha ocorrendo ao longo dos anos, sem qualquer tipo de restrição aos políticos que agiam amparados pelo famigerado foro privilegiado, confundindo imunidade com impunidade. É escondida nessa imunidade que a deputada federal Jandira Feghalli se acha no direito de fazer pichação numa parede do Rio de Janeiro, com frase contra o presidente Temer. E ele dá um péssimo exemplo de como será seu incentivo à Educação, visto que é candidata a prefeita da capital Estado. Qualquer pessoa sem mandato eletivo que seja flagrada pichando patrimônio público ou privado será levado à Justiça sem direito de pedir autorização de seus companheiros de malfeitos como ocorre com a deputada pichadora, que só pode ser processada seu seus colegas permitirem, e mesmo assim somente no Supremo Tribunal Federal (STF) e não pelo juiz da comarca onde tenha pichado um simples pedaço de parede. Vamos continuar gritando contra esse detestável foro privilegiado!

6 de agosto de 2016

E tem gente que contesta o sucesso da abertura da Rio 2016

Tive muita vontade de rir quando vi e ouvi vários comentários sobre a espetacular abertura da Olimpíada Rio 2016. Parece que aconteceu algo diferente, tudo muito bonito, mas que o melhor é que não tivesse acontecido. Hoje, vimos a repercussão positiva mundial através de jornais e sites de vários países e também soubemos que canais de TV internacionais transmitiram o evento ao vivo;
Minhas gargalhadas ficaram por conta de declarações de pessoas que sei serem seguidores ou admiradores dos petistas que no momento estão fora do Poder e com a popularidade despencando a cada dia. Vi gente dizendo: "A abertura foi muito linda, mas não vai mudar nada em minha vida, Periferia que o dinheiro gasto tivesse sido investido em Saúde, Educação e Segurança". Digo eu aqui: você deveria ter dito isso a Lula em 2007, quando o Rio de Janeiro foi escolhido para sediar os atuais Jogos Olímpicos. Naquele tempo o Brasil já era carente em Saúde, Educação e Segurança. Ao contrário, a maioria dessas pessoas festejou a decisão do COI naquela ocasião. Aquela era a hora de protestar. Mais ridículo ainda ficou quem foi fazer manifestação contra a Rio 2016 nas proximidades do Maracanã, como se isso fosse possível a esta altura;
O melhor protesto dessa gente seria não assistir na TV algo com o qual não concorda. Mas, ao contrário, assistiu e deu parecer sobre a beleza do espetáculo. Mas, saiu tudo errado para os contrários. Além de alguns assistentes após o Hino Nacional gritarem o nome do juiz Sérgio Moro, até a esperada vaia ao presidente Temer não durou mais que alguns poucos segundos. Disseram que se Dilma estivesse no lugar dele a vaia para ela duraria até a Pira Olímpica ser apagada. No mais, o melhor que podem fazer é aceitar e torcer por medalhas par o Brasil e nas eleições de outubro eleger quem realmente vai se preocupar com Saúde, Educação e Segurança

4 de agosto de 2016

Tem gente que é contra a Olimpíada, mas nem tanto assim

O sucesso do revezamento da Tocha Olímpica pela Baixada Fluminense deixou muita gente com cara de cachorro que caiu do caminhão de mudança. Cadê os manifestantes misturando assuntos que nada têm a ver com o revezamento da Tocha, como os professores de Duque de Caxias reclamando de atraso de salário por parte a prefeitura local? Em Nilópolis, por exemplo, a cidade deu um show de educação e brasilidade. Foi vivenciada uma grande festa. Houve, no entanto, quem argumentasse que educação e civilidade eram algo positivo, porém, em relação aos governantes, não achasse legal decretar feriados, pois por mas dificuldades que já vivemos, tirar mais  um dia de faturamento dos comerciantes não foi algo interessante. Foi utilizado o antigo e célebre chavão de somos um país movido a festas, o "pão e circo".

Engraçada é a preocupação sobre quem vai ajudar apagar o aluguel das lojas e ou salário de funcionários. Alegam que algumas horas com suas lojas fechadas teriam prejuízo equivalente a um mês de aluguel, quando sabemos que a locação de imóvel comercial é muito cara. Faça-nos um favor. Arranjem outros argumentos. É bom lembrar que o fechamento dos estabelecimentos serviu a segurança deles em face da aglomeração de pessoas que estavam em frente aos mesmos para assistir e comemorar a passagem da Tocha Olímpica. Sei um caso de um comerciante revoltado que tinha fechado seu estabelecimento, desabafou com um colega cuja loja ainda estava aberta, reclamando por não está faturando, quando o outro advertiu que às 17 horas, hora então prevista para o término do revezamento em Nilópolis, veio a resposta: "Às 17 horas? Nessa hora vou assistir o jogo do Brasil no Futebol Feminino. Não vou deixar de ver mais um show da Marta". Feche-se o pano, rápido. Acabou o espetáculo de sandice e incoerência. 

2 de agosto de 2016

Dilma propõe 'suicídio' a senadores, deputados e governadores

Ao que tudo indica, Dilma Rousseff perece ter desistido de sair pelo Brasil fazendo comícios para plateias de militantes repetindo a ladainha de se dizer vítima de um "golpe parlamentar". Há uma razão muito forte para tal mudança: acabou a grana. O dinheiro da "vaquinha" de origem duvidosa não existe mais, e as últimas revelações surgidas na Operação Lava-Jato e outras investigações afastaram os doadores, que entenderam não haver mais esperança de que Dilma escape do impeachment. Ela anda tão perturbada que está propondo um suicídio ao 81 senadores que vão selar o seu destino através de um documento intitulado "Carta aos Brasileiros" que está elaborando para divulgar aos país através das redes sociais, no qual sugere a convocação de um plebiscito e eleições gerais antecipadas. Com isso, um terço dos senadores (27) abririam mão se cinco anos dos mandatos que conseguiram em 2014. E não é só isso. Ela propõe também 513 deputados federias 1.030 deputados estaduais e 27 governadores abram mão dos mandatos obtidos também em 2014;

Seria mera coincidência Dilma programar para dia 24 deste mês a divulgação de sua Carta propondo uma série de suicídios em série? É que exatamente no dia 24 de agosto completam-se 62 anos do suicídio de Getúlio Vargas, que era conhecido como o "Pai dos Pobres", título dado para camuflar sua imagem de ditador que foi. A pessoa que o ex-presidente Lula intitulou como a "Mãe do PAC" para convencer os eleitores a substituí-lo, o que conseguiu, sabe que está indo para o seu final político e quer "morrer abraçada" com aquela toda gente. Uma frase do deputado Jovair Arantes, líder do PTB na Câmara, comparando o acesso dele aos quatro últimos presidentes da República, demonstra para qualquer um que Dilma Rousseff perdeu a noção das coisas: "O Fernando Henrique me recebeu três vezes em oito anos. Nos oito de Lula fui recebido uma vez. Nos cinco de Dilma, nenhuma". Em dois meses, já estive com temer cinco vezes". Ou Dilma "endoideceu", ou planeja um golpe infinitamente maior do que ela diz estar sendo vítima.

1 de agosto de 2016

Ainda tem gente querendo ver Dilma de volta ao Palácio do Planalto?!

Um protesto internacional contra o afastamento de Dilma Rousseff reuniu neste domingo dezenas de pessoas em Lisboa. Os manifestantes fizeram apelos “pela democracia” e gritaram palavras de ordem contra o presidente Michel Temer, classificando a sua chegada ao poder de "golpe de Estado". Por volta das 19 horas no horário local (15 horas em Brasília), a praça do Rossio, em Lisboa, começou a animar-se com a progressiva concentração de ativistas, alguns transeuntes e poucos turistas. Uns transportavam bandeiras do Brasil, de Portugal, outros escreviam palavras de ordem em cartazes de várias cores com as incrições “Pela democracia”, “Fora Temer”, e “Volta, Querida”. As cerca de 60 pessoas presentes juntaram-se num pequeno cordão humano e enquadradas por uma grande faixa com a frase “Golpe nunca mais. Fora Temer”, enquanto se iniciavam os discursos de diversos representantes do Coletivo Andorinha – Frente Democrática Brasileira de Lisboa, e de outras associações;

Manifestantes que defendem a volta de Dilma Rousseff à Presidência da República participaram de uma passeata neste domingo, em Salvador. O ato começou no Campo Grande, centro da capital baiana e seguiu pela Avenida Sete de Setembro, até o Farol da Barra, onde ocorreu, pela manhã, outro ato a favor do impeachment de Dilma. Durante todo o percurso, manifestações artísticas e culturais foram a tônica da manifestação, como apresentações teatrais e uma banda que puxou o microtrio ao som de paródias de músicas populares com letras criticando Michel Temer e pedindo a volta de Dilma. “Volta querida” e “Fora Temer” foram as principais palavras de ordem dos manifestantes, que chegaram ao Farol da Barra por volta das 18 horas. No local - onde são comuns os atos contra Dilma – representantes das frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular, junto com integrantes de partidos políticos, centrais sindicais e sociedade civil se revezaram entre falas que defendiam a suspensão do processo de impeachment e criticavam as ações do governo de Michel Temer;

O resumo acima de duas notícias nos faz refletir em duas alternativas. Os brasileiros que se manifestaram em Portugal têm até alguma razão de não estarem vivenciando de perto o momento político e a crise econômica que ocorre por aqui, apesar do amplo noticiário divulgado pela mídia mundial. Mesmo com restrições, aceita-se. E o pessoal da Bahia? Não vê TV? Não lê jornal? Não conversa com os amigos? E, o fato mais espantoso: essa gente não faz compras nos supermercados nem nos açougues nem compra remédios nas farmácias? Isso nos leva a deduzir que essas pessoas podem ter sofrido uma lavagem cerebral e são fanáticas, ou estarão perdendo alguma "boquinha" com a saída de Dilma. Também não acompanham o noticiário informando que líderes do PT não acreditam que ela escape do impeachment e que não vão se desgastar tentando defendê-la para se preservarem de sofrer restrições de seus eleitores. Eles pensam nas eleições municipais de outubro, mas também nas de 2018. A outra e única hipótese que existem é a de essa gente estar chegando agora de algum outro planeta.