Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

Comentários sobre política brasileira e outros temas polêmicos

23 de abril de 2018

Cármen Lúcia encara ‘bomba’ após alerta de ministros

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia terá papel fundamental no próximo dia 2 de maio, quando colocará em pauta o julgamento da restrição do foro privilegiado, proposta do ministro Luís Roberto Barroso. No entanto, a proposta já esteve paralisada na Corte em outras duas ocasiões, fazendo com que a restrição, prevista para ser abolida por 8 votos contra 3, não acontecesse. No momento, alguns ministros do Supremo estão em estado de alerta, porque há a possibilidade de que um pedido de vista ocorra no mesmo dia, prejudicando mais uma vez o julgamento da ação. No ano passado, o ministro Dias Toffoli foi o responsável por pedir vista, e em outro momento o ministro Alexandre de Moraes fez o mesmo pedido, após argumentar durante horas no plenário. Os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski ainda não votaram na proposta, e um deles poderá ser o que pedirá vista pela terceira vez sobre o assunto. Acontece que a mudança no foro privilegiado poderá prejudicar inúmeros políticos, abrindo espaço para que parlamentares sejam julgados em outras instâncias, sem depender apenas do Supremo. No entanto, há uma esperança entre os políticos já condenados nas investigações da Operação Lava-Jato. Eles acreditam que o fim do foro privilegiado e a impossibilidade de prisão após condenação em segunda instância abrirão espaço para que os condenados permaneçam soltos por mais tempo, pois teriam diversos recursos a serem analisados, levando os processos para anos e anos. Para isto acontecer, depende de Cármen Lúcia colocar em pauta as Ações Diretas de Constitucionalidade (ADCs). Há diversas tentativas para que os ministros mudem o entendimento de prisão após julgamento em segunda instância. Cármen Lúcia está pressionada para ambos os lados. Ministros do Supremo levantam um alerta de vista e defesa de investigados tentam a todo custo fazer com que a ministra coloque em pauta as ADCs, cancelando as prisões após condenação em segunda instância. Meios não faltam para condenados se livrarem da cadeia e este é o objetivo de diversos parlamentares. A classe política se volta ao Supremo com força. Convencer Cármen Lúcia não é nada fácil, porque ela faz vista grossa e mantém firme sua opinião. Ela foi a responsável pelo voto de minerva que colocou o ex-presidente Lula da na cadeia. Ela negou o habeas corpus impetrado pela defesa do petista, prejudicando Lula e abrindo o caminho para que o juiz Sérgio Moro declarasse a prisão dele. Os petistas estão revoltados com a ministra e ela se tornou alvo até de vandalismo em sua residência.

Gleisi Hoffman falou demais e será investigada pela PGR

A Procuradoria-Geral da República (PGR) abriu um procedimento para decidir se investigará a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PR), em virtude de um vídeo enviado por ela à emissora Al Jazeera, a maior de língua árabe, que provocou críticas de opositores ao PT nas redes sociais e no Congresso Nacional. A chamada “Notícia de Fato” é uma etapa preliminar, em que a PGR certifica que recebeu uma representação e indica algum integrante do órgão que faça “um procedimento prévio para coleta de informações preliminares e deliberação sobre uma eventual instauração de procedimento investigatório”. O prazo para conclusão dos trabalhos é de 30 dias. O pedido contra a senadora foi apresentado pelo deputado Major Olímpio (PSL-SP). Para ele, as declarações da petista, que se dirigiu “ao mundo árabe” para dizer que o ex-presidente Lula “foi condenado por juízes parciais em um processo ilegal” e é um “preso político”, feriram a Lei de Segurança Nacional. Na gravação, a senadora petista também argumenta que Lula foi o presidente brasileiro que estreitou as relações diplomáticas entre o Brasil e o Oriente Médio.

22 de abril de 2018

Datafolha revela: o povo quer novos políticos

A última pesquisa de intenção de voto divulgada pelo Instituto Datafolha mostrou que sem a participação do ex-presidente Lula, fato que diariamente se confirma, o eleitorado prefere novos nomes: um negro (Joaquim Barbosa) e uma mulher (Marina Silva). Quem também aparece com chances de ir para o segundo turno é Jair Bolsonaro, mas com risco de sair do páreo coincidentemente por estar respondendo a processos por racismo e incitação à violência contra mulheres, atingindo exatamente os dois preferidos apontados na pesquisa. Mas um ponto é comum principalmente entre os dois primeiros: nada há contra eles no que se refere a corrupção e outros tipos de malfeitos. O povo mostrou que está na hora de eleger pessoas que tenham decência na vida pública. O Supremo Tribunal Federal (STF) já mostrou à população que também pensa igual ao negar o habeas corpus de Lula e mantendo a a jurisprudência que permite a prisão de condenados após decisão em segunda instância. Políticos corruptos estão sendo afastados, como aconteceu agora com o senador Aécio Neves (PSDB-MG), que está prestes a tornar-se inelegível. A cada dia em que se aproximam das eleições, certamente as redes sociais servirão como grande veículo de propagação da campanha pela limpeza geral do quadro político do Brasil. Vamos nessa.

Cala a boca, Gleisi! Ser puxa-saco tem limites

A presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann, foi longe demais no comando das demonstrações de fanatismo pelo seu ídolo Lula, apelando ao mundo árabe para se juntar ao partido na campanha em favor da liberdade do ex-presidente. Desta vez a senadora não está falando para a militância, mas incitando estrangeiros a se intrometerem em assuntos internos. A mensagem de Gleisi foi feita através de um vídeo exibido na rede de TV Al-Jhasira, mas petistas tentam ironizar quem critica dizendo que a pessoa não sabe a diferença entre a TV e o grupo terrorista Al-Qaeda. Esquecem que a rede de televisão é a porta-voz dos terroristas. Uma outra coisa a se observar é que o número de árabes e descendentes no Brasil é muito maior que o de habitantes de muitos países do Ocidente, que seguem as suas tradições e ideologias. Cabe à Procuradoria-Geral da República (PGR) e ao Conselho de Ética do Senado Federal agir de modo rigoroso para fazer com que a senadora/agitadora cale a boca o quanto antes. Ela criticou juízes e a Justiça, o que não é concebível a uma parlamentar, principalmente se ela, que responde a processos no Supremo, podendo ir também para atrás das grades. O Brasil não precisa de Gleisi Hoffmann.

Gleici, a vencedora do BBB18, é a nova milionária do PT

A ganhadora do BBB, Gleici - o nome é quase igual ao de alguém que conhecemos bastante pelas besteiras que diz -, quando Tiago Leifert anunciou que o prêmio era dela gritou: "Lula livre!". É uma menina pobre que ganhou uma bolada de um milhão e meio de reais. Mesmo precisando do dinheiro, certamente irá dar um pouco para comprar carne, carvão e cerveja para os "voluntários" que estão acampados em frente à prisão do ex-presidente na Polícia Federal (PF) em Curitiba, e também para a "caixinha" que levanta recursos destinados a impedir que a família de Lula morra de fome. Seria coerência da parte dela. Parabéns para aqueles que votaram nela.

A Lava-Jato tumultua a vida de muitos advogados

Os advogados brasileiros estão tendo muitos problemas com as mudanças das leis que deram origem à Operação Lava-Jato. Eles são obrigados a conviver com delações premiadas, prisões preventivas e condenação em segunda instância. Os criminalistas contratados por clientes envolvidos na Lava-Jato deram início a um movimento na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) para conseguir a revogação do critério de prisão após decisão em segunda instância. O advogado Alberto Toron, que defende o senador Aécio Neves (PSDB-MG), declarou que a entidade está acovardada. O presidente da Ordem, Cláudio Lamachia, respondeu de modo bastante incisivo dizendo que a OAB representa cerca de um milhão de profissionais e que a mesma "não se sujeita aos interesses financeiros acima da ética e do respeito à instituição". A pedido do criminalista Guilherme Batochio, filho e sócio do advogado José Roberto Batochio, advogado do ex-presidente Lula, o presidente Lamachia levou o caso ao Conselho Federal da OAB, que, depois de quase sete horas de reunião deu a Lamachia uma vitória pelo placar de 20 votos a 3. Deu ruim para advogados de réus milionários que pagam milhões de reais aos seus defensores.

Getúlio, saiu da vida e entrou na História do Brasil

Algumas pessoas estão lembrando que hoje é o "Dia do Índio", mas quase ninguém lembra que hoje se completam 136 anos - era nascido em 19 de abril de 1882 - data em que nasceu um dos maiores nomes da História do Brasil: Getúlio Vargas, criador da CLT, Salário Mínimo e outros direitos trabalhistas. Foi ditador, deposto e depois eleito para a Presidência da República com uma das maiores votações de que se tem conhecimento. Por causa de casos não corretos no seu governo cumpriu a palavra de somente morto sair do Palácio do Catete. Em 24 de agosto de 1954 deu um tiro no peito, e confirmou um trecho da carta-testamento que deixou: "Saio da vida para entrar na História".

Você não errou, Aécio, cometeu um crime

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) afirmou que a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) será uma oportunidade para provar que os R$ 2 milhões que pediu emprestado aos irmãos Batista era para pagar a advogados para sua defesa. Difícil acreditar que um senador da República de longa carreira não tenha este valor disponível e ainda o receba em parcelas. Ele alega que não cometeu crime mas sim um erro. Como assim, Aécio? Um empréstimo neste valor não é pago em dinheiro vivo e sim através de cheque, transferência bancária e outros procedimentos legais. Em malas é algo errado, e é contra a lei. A reação do senador mineiro pelo menos tem alguma sinceridade e nos dá um alívio pois ele não se comparou a Jesus Cristo, como fez um outro conhecido criminoso.

19 de abril de 2018

Aécio é réu e STF acaba com argumentos do PT

A decisão unânime da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitando a denúncia contra o senador Aécio Neves (PSDB-MG), tornando-o réu de uma ação penal por corrupção e obstrução da Justiça é um duro golpe no PT e seus seguidores, que sempre disseram haver uma perseguição ao ex-presidente Lula. A decisão do STF causou estragos na campanha eleitoral do pré-candidato à Presidência da República pelo PSDB Geraldo Alckmin. Ele, que já não andava bem nos índices do Ibope e do DataFolha, ficou em situação de risco com a decisão sobre um dos maiores nomes do seu partido. Aliás, o quadro de candidaturas está tão complexo que aparecem nomes com boa aceitação do eleitorado, como Joaquim Barbosa, Jair Bolsonaro e Marina Silva, numa demonstração de que há uma forte tendência de mudança do quadro político do Brasil.

17 de abril de 2018

Quem comanda invasão de domicílio pode ser presidente da República?

Você é capaz de votar num candidato à Presidência da República que apoia a invasão de um apartamento e que transmite ao vivo em seu site o ato criminoso? É isto o que fez ontem o candidato do PSOL a presidente da República, Guilherme Boulos. Na condição de líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), ele incentivou a invasão criminosa ao apartamento do ex-presidente Lula num condomínio na praia de Guarujá, em São Paulo. Além do crime, os invasores ficaram mais de três horas perturbando a vida dos demais moradores. Muitos dos baderneiros não eram sem-teto e chegaram ao local em ônibus fretados vindos de várias cidades próximas e nem sabiam porque estavam ali. Há algum tempo Lula também colaborou com a baderna ao incentivar a invasão, pois como a Justiça insistia que o triplex era dele, os sem-teto estavam autorizados a ocupar o espaço. Por fim, fica a dúvida sobre como agirá Guilherme Boulos, se eleito para a Presidência da República, na garantia do cumprimento das normas constitucionais.